O Guia do Tradutor, 1.ª edição

O Guia do Tradutor, 1.ª edição

(Consultar o Guia em http://ec.europa.eu/translation/language_aids/freelance/documents/portuguese/dgt_portuguese_styleguide_pt.pdf)

Equipa linguística do Departamento de Língua Portuguesa

Direcção-Geral da Tradução — Comissão Europeia

Os tradutores do Departamento de Língua Portuguesa da Direcção-Geral da Tradução elaboram textos
que são lidos por um grande número de pessoas, quer devido ao seu carácter jurídico vinculativo
(legislação publicada no Jornal Oficial da União Europeia) quer por se tratar de outros documentos
relacionados com as múltiplas actividades da Comissão Europeia, neles se incluindo obras de
divulgação destinadas ao público em geral.
Uma vez que várias pessoas intervêm no processo de tradução dos textos das instituições
comunitárias, afigura-se essencial estabelecer um conjunto de regras e orientações que permitam obter
uma maior coerência entre estes textos. É assim que surge o Guia do Tradutor, um instrumento para
uma maior harmonização das práticas no Departamento de Língua Portuguesa, respondendo a
questões de ordem prática que se colocam a tradutores, assistentes, estagiários e freelances durante o
processo de tradução.
O Guia nasceu das acções de política de qualidade que têm vindo a ser aplicadas na Direcção-Geral da
Tradução e foi elaborado pela equipa de coordenação e apoio linguístico (equipa linguística) do
Departamento de Língua Portuguesa. A 1.ª edição do Guia constitui um primeiro conjunto de regras e
orientações que deverão, pouco a pouco, ser melhoradas e completadas com a colaboração dos colegas
do departamento, por forma a aumentar a qualidade dos textos produzidos. É neste contexto que nele
se insere um capítulo sobre o novo Acordo Ortográfico, o qual não deixará de ser útil a partir da
entrada em vigor deste Acordo.
O Guia adapta e desenvolve as regras constantes do Código de Redacção Interinstitucional(1),
aprofundando aspectos que aí apenas são abordados de uma forma geral e procurando contribuir,
quando possível, para a sua evolução e aperfeiçoamento. Ao mesmo tempo que integra as regras
enunciadas no Guia Prático Comum para a redacção de textos legislativos nas instituições
comunitárias(2), o Guia do Tradutor acrescenta novos conteúdos e reúne material anteriormente
disperso em notas e artigos publicados pelos membros da equipa linguística no sítio intranet do
departamento e no boletim «a folha».
Na elaboração do Guia, foram igualmente tidos em conta documentos equivalentes de outros
departamentos linguísticos da Direcção-Geral da Tradução, nomeadamente dos departamentos de
língua espanhola(3) e inglesa(4), assim como de instituições portuguesas (Assembleia da República(5),
Presidência do Conselho de Ministros(6) e Centro de Informação Europeia Jacques Delors(7)). Foi
também consultada a publicação da Imprensa Nacional, Instruções — Regras a seguir por
compositores e revisores, de 1970.

O Guia é, por natureza, um instrumento sujeito a permanente actualização em função das necessidades
expressas pelos tradutores e das suas contribuições. A revisão regular do conteúdo do Guia é
assegurada pela equipa linguística e resulta de um trabalho conjunto que conta com a participação de
todo o departamento — tradutores, revisores, chefes de unidade, assim como gestores de conteúdos
das bases terminológicas, memórias de tradução e dicionários de tradução automática.
A inserção do Guia na página wiki de língua portuguesa(8) facilita essa interacção permanente, por
forma a melhorar constantemente o Guia e, desse modo, os serviços prestados à comunidade de língua
portuguesa. A consolidação das contribuições assim recebidas será reflectida em actualizações
regulares das edições publicadas em papel, na intranet da Comissão Europeia(9), assim como no
servidor Europa(10), na Internet.
Estrutura
A 1.ª edição do Guia do Tradutor divide-se em três grandes capítulos: «1. Redigir em Português»;
«2. Traduzir na Comissão Europeia»; «3. Instrumentos de Trabalho — Conselhos Práticos».
O capítulo Redigir em Português destina-se essencialmente a completar o enunciado no capítulo 10
do Código de Redacção Interinstitucional (apresentação formal do texto). Porém, numa fase
transitória de preparação para a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 nas instituições europeias, e
a título meramente informativo, inclui igualmente uma proposta de reformulação dos subcapítulos
mais directamente abrangidos pelas alterações das regras da ortografia da norma europeia do
português.
O capítulo Traduzir na Comissão Europeia retoma as regras de base a respeitar na tradução de
textos que se destinam a ser publicados no Jornal Oficial da União Europeia, assim como regras de
carácter geral, no intuito de prestar um apoio permanente ao tradutor e, ao mesmo tempo, estabelecer
uma série de convenções que contribuam para a harmonização e normalização dos textos traduzidos
no departamento de língua portuguesa.
O capítulo Instrumentos de Trabalho — Conselhos Práticos destina-se a dar resposta a questões
muito simples, mas recorrentes, ligadas à utilização das várias ferramentas de trabalho postas à
disposição de tradutores e secretários no ambiente informático da DGT (apenas disponível nas versões
internas do Guia do Tradutor).
DGT-PT-LINGUISTIC-TEAM@ec.europa.eu

(1) Código de Redacção Interinstitucional, http://publications.europa.eu/code/pt/pt-000100.htm.
(2) Guia Prático Comum do Parlamento Europeu, do Conselho e da Comissão para as pessoas que contribuem para a
redacção de textos legislativos nas instituições comunitárias, http://eur-lex.europa.eu/pt/techleg/index.htm.
(3) Guía del Departamento de Lengua Española,

http://ec.europa.eu/translation/language_aids/freelance/documents/spanish/dgt_spanish_styleguide_es.pdf (I) e
http://ec.europa.eu/translation/language_aids/freelance/documents/spanish/dgt_spanish_translation_problems_es.pdf (II).
(4) English Style Guide — A handbook for authors and translators in the European Commission,
http://ec.europa.eu/translation/writing/style_guides/english/style_guide_en.pdf.
(5) Assembleia da República, Regras de Legística a Observar na Elaboração de Actos Normativos da Assembleia da
República, http://www.parlamento.pt/ArquivoDocumentacao/Documents/AR_Regras_Legistica.pdf.
(6) «Anexo II — Regras de legística na elaboração de actos normativos pelo XVII Governo Constitucional», Resolução do
Conselho de Ministros n.º 64/2006, http://dre.pt/pdf1sdip/2006/05/096B00/34113425.pdf
(7) Centro de Informação Europeia Jacques Delors, Guia de estilo,
http://ftp.infoeuropa.eurocid.pt/database/000021001-000022000/000021583.pdf.

Anúncios